Direito Ambiental, Animal e Ecologia de Estradas: Análise Transdisciplinar do Atropelamento de Fauna na Rodovia DF-025 a partir da Compensação Ambiental do Aeroporto de Brasília

Letícia Yumi Marques

Resumo


A Rodovia DF-025 é a principal via de acesso ao Aeroporto de Brasília, no Distrito Federal. As obras de ampliação do aeroporto, que incluem a construção de um novo terminal para aumento da capacidade de passageiros, podem estar relacionadas ao aumento do número de atropelamento de fauna silvestre e doméstica na região, que está inserida dentro dos limites da APA Gama e Cabeça de Veado. É cientificamente conhecido que o atropelamento de animais em empreendimentos lineares, como estradas e rodovias, decorre do processo de fragmentação que provocam nos ecossistemas, de forma que a ampliação do Aeroporto de Brasília e o consequente aumento do fluxo de veículos nas principais vias de acesso a ele podem agravar o problema.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRA, Fernanda Delborgo. Monitoramento e avaliação das passagens de fauna presentes na rodovia SP-225 no município de Brotas, São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012, p. 1-13.

ATAÍDE JR., Vicente de Paula. Introdução ao Direito Animal Brasileiro. Revista Brasileira de Direito Animal. Salvador, Vol. 13, n.º 03, 2018, p. 48-78.

BESSA ANTUNES, Paulo. Direito Ambiental. 17ª ed. São Paulo: Atlas, 2015.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Lei nº. 5.197, de 3 de janeiro de 1967. Lei de Proteção da Fauna. Brasília, DF, 1967.

BRASIL. Lei nº. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, DF, 1981.

BRASIL. Lei nº. 9.605, de 312 de fevereiro de 1998. Lei de Crimes Ambientais. Brasília, DF, 1998.

BRASIL. Lei nº. 9.985, de 18 de julho de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília, DF, 2000.

DISTRITO FEDERAL. Lei Complementar nº. 827, de 22 de julho de 2010. Sistema Distrital de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília, DF, 2010.

DISTRITO FEDERAL. Decreto nº. 9.417, de 21 de abril de 1986. Cria a Área de Proteção Ambiental das Bacias do Gama e Cabeça de Veado. Brasília, DF, 1986.

FOLKE, Carl. Resilience: The emergence of a perspective for social-ecological system analysis. Global Environmental Change, v. 16, 3, pp. 253-267, 2006. Online. Disponível em: . Acessado em: 20 jun. 2019.

LINDENMAYER, David B.; FISCHER, Joern. Habitat Fragmentation and Landscape Change – An Ecological and Conservation Synthesis.

MYERS, N., MITTERMEIER, R.A., MITTERMEIER, C.G., da FONSECA, G.A.B. & KENT, J. (2000) Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403, 853–858. Disponível em . Acesso em 08.07.2019.

ROCKSTRÖM, Johan et al. A safe operating space for humanity. Nature, v. 461, n. 7263, p. 472, 2009.

SANTANA, Luciano; PIRES-OLIVEIRA, Thiago. Direito da Saúde Animal. Curitiba: Juruá, 2019.

SANTOS, Rodrigo Augusto Lima. Dinâmica de atropelamento de fauna silvestre no entorno de unidades de conservação no Distrito Federal. 2017. 145f. Tese (Doutorado em Ecologia) – Instituto de Biologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

GOODLAND, Robert. The concept of environmental sustainability. Annual Review of Ecology. 1995. 26:1-24.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente. 8ª ed. São Paulo: RT, 2013.

TAYRA, Flávio. Capital Natural e Grasu de Sustentabilidade: Visões de Mundo e Objetivos Conflitantes. Revista Pensamento&Realidade FEA-PUC/SP. São Paulo, Ano IX, n.º 19, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Direitos Fundamentais e Alteridade