A MORTE E O MORRER EM PIERRE BOURDIEU

Tanise Zago Thomasi, Lara Costa Barroso Andrade de Oliveira

Resumo


O presente estudo analisa e discute a morte e o morrer na atualidade. Para tanto aborda conceitos trabalhados por Pierre Bourdieu para caracterizar o poder simbólico dentro do campo da saúde e a formação do seu habitus. Essas práticas, e, particularmente a finitude humana, ainda são consideradas um mito, diante das diferentes liturgias, uma vez que a própria religião é considerada uma estrutura. A ideia é estabelecer um estudo comparativo de como estas foram, são e serão empregadas no cenário nacional, pois a forma de agir constitui o “habitus” e fundamenta bases científicas para a melhoria da qualidade de vida da população brasileira. Aspectos jurídicos são enaltecidos diante da existência de julgamentos, envolvendo início e fim da vida humana, como o caso das células-tronco, aborto dos encéfalos, conclamando à reflexão sobre a espiritualidade e, consequentemente, sua cientificidade.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Direitos Fundamentais e Alteridade