DA COLÔNIA AO CAPITALISMO DEPENDENTE: O NEOLIBERALISMO NA AMÉRICA LATINA

Bruno de Oliveira Cruz, Juliano Glinski Pietzack

Resumo


A implementação do neoliberalismo na América Latina é um processo contraditório que só pode ser compreendido sob a avaliação da relação de classes no subcontinente. O presente artigo busca relacionar as ideias de Capitalismo Dependente, conforme a teorização de Florestan Fernandes, com o desenvolvimento histórico das doutrinas neoliberais sob a perspectiva da sociologia marxista. A necessidade de expansão desenfreada do Capital já é compreensão clássica das perspectivas críticas das ciências sociais; perante tais aportes teóricos, esse fenômeno levaria necessariamente a uma expansão territorializada dos mecanismos capitalistas, sob a égide do colonialismo, que alcança também os países politicamente independentes da América Latina sob o formato do Capitalismo Dependente, em que a inexistência de uma Revolução Burguesa aos moldes europeus leva ao aburguesamento da oligarquia tradicional, que preserva seus métodos de repressão violentos, mas fagocita os ideais e as inovações do capitalismo central, pois é subserviente ao capital. Frente a tal cenário, o neoliberalismo se consolida, alimentando-se da contradição típica da classe dominante local, promovendo o desenvolvimento de uma nova hegemonia pelo convencimento e pela força.


Palavras-chave


Colonialismo. Imperialismo. Capitalismo Dependente. Neoliberalismo.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAMBIRRA, Vânia. Diez años de insurreccion em america latina. v. 1. Santiago: Prensa Latinoamericana, 1971.

BOITO JR., Armando; RANDALL, Lauta. Neoliberal Hegemony and Unionism in Brazil. Latin American Perspectives, vol. 25, n. 1, p. 71-93, jan. 1998.

CABRAL, Amílcar. Passamos a ser arrastados pela História dos países da Europa. In: MANOEL, Jonas; FAZZIO, Gabriel Landi (org.). Revolução africana: uma antologia do pensamento marxista. 2. ed. São Paulo: Autonomia Literária, 2019.

CEPAL. Anuario Estadístico de América Latina y el Caribe. Santiago de Chile: Naciones Unidas, 2010.

DOBB, Maurice. A evolução do capitalismo. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

FANON, Franz. Os condenados da terra. 42. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FERNANDES, Antônio Sérgio Araújo; BORGES, André. Ideias Fora do Lugar: O Neoliberalismo como Categoria de Análise das Políticas Sociais no Brasil. Organizações & Sociedade. v. 15, n. 46, p. 13-37, jul./set., 2008.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo Dependente e Classes Sociais na América Latina. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FOUCAULT, M. The Birth of Biopolitics: Lectures at the College de France 1978-1979. New York: Palgrave Macmillan, 2008.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM Editores, 2015.

HARVEY, David. A Brief History of Neoliberalism. New York: Oxford University Press, 2007.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

HARVEY, David. O novo imperialismo. 2 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX 1914-1991. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

LENIN, Vladimir Ilitch. O imperialismo: fase superior do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Centauro, 2008.

LUXEMBURGO, Rosa. A acumulação do capital: estudo sobre a interpretação econômica do imperialismo. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970.

MARINI, Ruy Mauro. Subdesenvolvimento e revolução. 4. ed. Florianópolis: Insular, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2019.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. v. 1. São Paulo: Cortez, 2006.

ONU. Relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). State Of Commodity Dependence. Disponível em: https://unctad.org/en/PublicationsLibrary/ditccom2019d1_en.pdf?utm_source=UNCTAD+Media+Contacts&utm_campaign=dac8a4db70-EMAIL_CAMPAIGN_2019_05_14_02_08&utm_medium=email&utm_term=0_1b47b7abd3-dac8a4db70-64976393&goal=0_1b47b7abd3-dac8a4db70-64976393

PRADO JR.; Caio. A revolução brasileira. In: PRADO JR., Caio; FERNANDES, Florestan. Clássicos sobre a revolução brasileira. 4. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

SANTOS, Theotonio dos. Imperialismo y dependencia. Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho, 2011.

SANTOS, Theotonio dos. Do terror à esperança: auge e declínio do neoliberalismo. São Paulo: Ideias e Letras, 2004.

UNDURRAGA, Tomás. Neoliberalism in Argentina and Chile: Common antecedents, divergent paths. Revista de Sociologia e Política, v. 23, n. 55, p. 11-34, set. 2015.

WOOD, Ellen Meiksins. A origem do capitalismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2020.n250.p429-447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais