MATOPIBA: UMA NOVA FRONTEIRA AGRÍCOLA? UMA CONCILIAÇÃO GEOGRÁFICA DE ORDENAMENTO DO AGRONEGÓCIO? UMA NOVA REORGANIZAÇÃO PRODUTIVA DOS ESPAÇOS DE “CERRADOS” DOS ESTADOS DO MARANHÃO, TOCANTINS, PIAUÍ E BAHIA?

Clovis Caribé Menezes dos Santos

Resumo


Os espaços territoriais com áreas do bioma “cerrado” dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, foram denominados ‘MATOPIBA’ (em referência ao acrônimo dos 4 estados com áreas de chapada). Neles predominava até recentemente uma estrutura agrária de ocupação econômica pela pecuária extensiva, combinada com agricultura mercantil simples e extrativismo dirigido à exportação. Situados em solos de elevada aptidão para o cultivo, passaram a ser considerados “a mais recente fronteira agrícola brasileira”. Nesses espaços foram implementados, historicamente, uma série de programas especiais e de inversões por parte do Estado que contribuíram, de forma decisiva, para a sua expansão agrícola. O principal desses programas foi o Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados – PRODECER que, em sua segunda edição, a partir de 1985, ampliou sua área de atuação, incorporando os cerrados da região oeste do Estado da Bahia e os cerrados dos estados do Tocantins e do Maranhão. O objetivo central desse artigo é ressaltar as profundas transformações da base técnica que ocorrem nos cerrados dos quatro estados, onde, seguindo os princípios norteadores do PRODECER, ganharam relevância a partir do início da primeira década do ano 2000 e passaram a significar sinônimo e possibilidade de grandes investimentos públicos e privados, nacionais e internacionais, no setor agrícola da economia nacional. Trata-se do principal espaço de transformações no setor rural brasileiro no início do Séc. XXI e um dos principais alvos da cobiça do agronegócio globalizado, em que são explícitos os processos econômicos associativos e estratégicos do capital financeiro na perseguição do lucro e da renda da terra, sob o patrocínio de políticas de Estado.


Palavras-chave


Cerrados. MATOPIBA. Fronteira. Espaço. Território.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVES, V. E. L. “A Expansão da Soja e o Processo de Urbanização nos Cerrados Piauienses”, Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina – 20 a 26 de Março de 2005 – Universidade de São Paulo.

ANDRADE, M.C. “Territorialidades, desterritorialidades, novas territorialidades: os limites do poder nacional e do poder local.” IN: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A. de; SILVEIRA, M.L. (Orgs). Território Globalização e Fragmentação. São Paulo: HUCITEC, 2006.

BAHIA. Secretaria do Planejamento Ciência e Tecnologia (SEPLANTEC). Oeste da Bahia: perfil regional: Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável (PDRS). Salvador, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional, 1995. (Cadernos CAR, 8).

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A. Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (ETENE). Departamento de Desenvolvimento Rural (DERUR). “Subsídios a uma política de financiamento agrícola para os cerrados nordestinos”, Versão Preliminar, Fortaleza, [s.n.], out. 1991.

BANCO DO NORDESTE (2012). “Avaliação do FNE Rural”. Série Avaliação de Políticas e Programas do BNB. Fortaleza: BNB.

Barros, B. MATOPIBA está perto do limite. Valor Econômico 21/11/2016 ( http://www.valor.com.br/agro/4781609/matopiba-esta-perto-do-limite-dizestudo)

HEREDIA, b., PALMEIRA, M., LEITE, S. P.. “Sociedade e Economia do ‘Agronegócio’ no Brasil”, Revista Brasileira de Ciências Sociais - vol. 25 N° 74, out. 2010.

BRASIL. “Acordo de empréstimo externo celebrado entre Agência de Cooperação Internacional do Japão e Banco Central do Brasil”, Brasília, DF: Senado, set. 1979.

Boletim DataLutas, Publicação do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária – NERA, de Outubro de 2017

BRASIL. Ministério da Agricultura. Coordenadoria de Assuntos Econômicos. “Avaliação do programa Cooperação Nipo-Brasileira para desenvolvimento dos Cerrados”, Versão Preliminar. Brasília: PRODECER, maio 1982.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Agência de Cooperação Internacional do Japão. “Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento Agrícola dos Cerrados. Estudo de Avaliação Conjunta” – Relatório Geral, Nº 48, Brasília, janeiro de 2002, pP. 2-32).

BUAINAIN, Antônio Márcio e Junior Ruiz Garcia. Evolução recente do agronegócio no cerrado nordestino. Estudos Sociedade e Agricultura, abril de 2015, vol. 23, n. 1, p. 166-195, ISSN 1413-0580

CASTRO, L.F.P. de; HERSHAW, E; SAUER, SÉRGIO. “Estrangeirização e internacionalização de terras no Brasil: oportunidades para quem?” Estudos Internacionais, Belo Horizonte, ISSN 2317-773X, V.5 N.2 (2017), P.74 – 102

CHADDAD, Fábio. Economia e organização da Agricultura Brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA - CPT – “GOIÁS: o projeto Cerrado: as multinacionais da agricultura brasileira. Um caso concreto.” Cadernos do CEAS, Salvador: n. 71, pp. 44-49. jan./fev. 1981.

________, Development and Peace, Aidenvironment, FIAN. Rede Social de Justiça e Direitos Humanos - www.social.org.br 2017. “Imobiliárias agrícolas transnacionais e a especulação com terras na região do MATOPIBA.” Outras Expressões. Apoio: GRAIN, Bread for the World.

CUNHA, A. S. (Coord.). Uma avaliação da sustentabilidade da agricultura nos cerrados, Brasília: IPEA, 1994. 254p.

DELGADO, G. C., “Capital financeiro e agricultura no desenvolvimento recente da economia brasileira”, Campinas, UNICAMP, 1984. (Tese de Doutorado disponível no Portal da UNICAMP).

________. A Questão Agrária no Brasil, 1950-2003 (2005). IN: Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo, Brasília: IPEA, p. 51-90.

________. O Agronegócio: Realidade e Fantasia Rondando o País.

http://coral.ufsm.br/enev/docs/agronegocio.pdf:11.06.2018. 10:05hs.

EMBRAPA, Nota Técnica 1, Campinas, SP Maio, 2014.

FIORI, J. L. “O Nó Cego do Desenvolvimento Brasileiro”, Novos Estudos Cebrap, nº- 40, nov. 1994, p.124-144.

GRAZIANO, J. da S.. A modernização dolorosa, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1982.

______. A nova dinâmica da agricultura brasileira, Campinas, SP, UNICAMP. 1996.

GRAZIANO, X., NAVARRO, Z.. Novo mundo rural: A antiga questão agrária e os descaminhos futuros da agropecuária no Brasil, São Paulo, UNESP, 2015.

GUIMARÃES, A. P.. A Crise Agrária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GUIMARÃES, D. P.; LANDAU, E. C.; SOUZA, D. L. de. “Irrigação por Pivôs Centrais no estado da Bahia – Brasil.” Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 107. Embrapa Milho e Sorgo Sete Lagoas, MG 2014

HAESBAERT, R. “Desterritorialização: entre as redes e os aglomerados de exclusão”, In: CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas, Rio de Janeiro, Bertrand, 1995. p. 165-206.

______. “‘Gaúchos’ e baianos no ‘Novo’ Nordeste: entre a globalização econômica e a reinvenção das identidades territoriais”, In: CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.), Questões atuais de reorganização do território, Rio de Janeiro, Bertrand, 1996. p. 367-415.

______. Desterritorialização e identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste, Niterói, Editora da Universidade Federal Fluminense. 1977.

HARVEY, D. Os limites do Capital, São Paulo, Boitempo, 2013.

HOLANDA, S. B. de. Monções. São Paulo: Companhia das Letras, (2014).

_____. Capítulos de Expansão Paulista. São Paulo: Companhia das Letras, (2014).

JAHNKE, H.-R., O Conceito da Compreensão na Sociologia de Max Weber. Imprensa da Universidade de Coimbra/Coimbra University Press, 2011.

LEITE. S. P.. “Estado, padrão de desenvolvimento e agricultura: o caso brasileiro”, Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, vol. 13, no. 2, 2005: 280-332.

______, Sauer, S.. “A Estrangeirização da Propriedade Fundiária no Brasil”, Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº36, agosto 2010.

PEREIRA, L. I.; Pauli, L. “O Processo de Estrangeirização da Terra e Expansão do Agronegócio na Região do MATOPIBA” Campo-Território: revista de geografia agrária. Edição especial, p. 196-224, jun., 2016 ISSN 1809-6271

KAGEYAMA, A. “Novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos agroindustriais”, In: DELGADO, G, et al. (Orgs.), Agricultura e políticas públicas brasileiras, Brasília, IPEA, 1990. (Relatório, n. 127).

MARTINE, G. “Fases e faces da modernização agrícola brasileira”, Brasília, IPLAN/IPEA. 1989. (Texto para Discussão, 15).

MARTINS, J. de S.. “O Tempo Da Fronteira. Retorno à Controvérsia sobre o Tempo Histórico da Frente de Expansão e da Frente Pioneira.” Tempo Social; Rev. Sociol. USP, São Paulo, 8(1): 25-70, Maio DE 1996.)

________. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala, São Paulo, HUCITEC, 2000.

_________. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano, São Paulo, Contexto, 2014.

MATHIAS, M. “MATOPIBA: na fronteira entre a vida e o capital” - EPSJV/Fiocruz. 02/01/2017 15h08 - Atualizado em 09/01/2017

MIRANDA, E. E. de. “O Menino Jesus e o IBGE, a Nasa e a Embrapa: O Brasil tem autoridade para enfrentar críticas dos campeões de desmatamento mundial.” O Estado de São Paulo; 23 Dezembro 2017

________; CARVALHO, C. A.. “Na agricultura, a preservação dos cerrados.” Revista AgroDBO – Outubro de 2015.

________; “Agricultura lidera preservação no Brasil.” O Estado de São Paulo 05 Junho 2017.

________; MAGALHÃES, A. L.; TORSIANO, R. “Uma Nova Fronteira Agrícola?” Agro DBO: São Paulo, p. 38-40, 30 de outubro de 2014

MONBEIG, P. Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo, Editora HUCITEC/Editora POLIS. São Paulo, 1984

MONTEIRO, M. do S. L.. “Ocupação do cerrado piauiense: estratégia empresarial e especulação fundiária (2002)”. 250 f. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

MÜLLER, G. “Agricultura e industrialização do campo do Brasil” Revista de Economia Política, [s.l.], vs. 2/2, n. 6, abr./jun. 1982.

______. “As ambivalências da modernização agrária” Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 21, jul., 1988.

______. Complexo agroindustrial e modernização agrária, São Paulo, HUCITEC, 1989.

NABUCO et. al. “Avaliação do PRODECER II.” Relatório Final, Brasília, IPEA, 1993.

PAOLINELLI, A.; LICIO, A. Os limites da agricultura no Brasil. O Estado de São Paulo, 30.12 2017.

NOGUEIRA, C. E.. “O Lugar da Fronteira na Geografia de Pierre Monbeig.” Tese apresentada ao Programa de Pós-­‐Graduação em Geografia Humana do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. São Paulo, 2013

PIAUÍ. Assembleia Legislativa do Estado do Piauí (1998). “Relatório Conclusivo da Comissão Parlamentar de Inquérito dos Conflitos Agrários e da Análise Jurídica das Alienações das Terras Públicas Patrimoniais.” Teresina: Alepi.

PIAUÍ. Secretaria de Planejamento (2012). Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí - Fundação Cepro. Piauí em Números - 8. Teresina.

OLIVEIRA, F. de. A economia brasileira: crítica à razão dualista, 2ª. ed., São Paulo, Brasiliense/Edições CEBRAP, 1976. (Seleção CEBRAP, 1. “Questionando a Economia Brasileira”).

______. “A metamorfose da arribação: fundo púbico e regulação autoritária na expansão econômica do Nordeste”, In: Os Direitos do antivalor: a economia da hegemonia imperfeita, Rio de Janeiro/Petrópolis, 1998.

OLIVEIRA, N. “O capitalismo no oeste da Bahia”, Cadernos do CEAS, Salvador, n. 86, p. 22-36. jul./ago.1983.

SAN MARTIN, P.; PELEGRINI, B. Cerrados: uma ocupação japonesa no campo, Rio de Janeiro, CODRECI, 1984.

SANO, E. E., SANTOS, C. C. M. dos, SILVA, E. Medrado da, CHAVES, J. M. (2011). “Fronteira Agrícola do Oeste Baiano: Considerações sobre os aspectos temporais e ambientais.” Revista Geociências, Volume 30, N.3. São Paulo: p. 479 - 489.

SANTOS, C. C. M.; (2011). Oeste Baiano: ocupação econômica, formação social e modernização agrícola. In: FAGUNDES, E. (Org.). Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e diversidade cultural. Salvador, Arcádia.

_________; VALE, R. (Orgs.) (2012). Oeste da Bahia: trilhando novos e velhos caminhos do Além São Francisco, Feira de Santana, Editora da Uefs.

_________; “O espírito do capitalismo na ocupação dos cerrados brasileiros nos estados da Bahia e do Piauí”, Revista de Geografia e Ordenamento do Território, v. 8, p. 229-253, 2015.

_________; “O espirito do capitalismo na ocupação dos cerrados da Bahia e do Piauí.” 1ª. ed. Feira de Santana - Bahia, UEFS Editora, 2015. v. 1. 214p.

_________; “Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados- PRODECER: um espectro ronda os cerrados brasileiros.” Estudos Sociedade e Agricultura (UFRRJ), v. 24, p. 384-416, 2016.

SANTOS FILHO, M. (Coord.). O processo de urbanização no Oeste Bahiano, Recife, SUDENE, 1989. (Série de Estudos Urbanos, 1).

SANTOS, M.. Por uma geografia nova, São Paulo, HUCITEC, 1978.

______. ; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI, São Paulo, Record, 2001.

SOLINÍS, G. (2009). “O que é o território ante o espaço?” In: RIBEIRO, M. T. F., MILANI, C. R. S. (Org.), compreendendo a complexidade socioespacial contemporânea, Salvador, EDUFBA.

SZMRECSÁNYI, T. “Análise de economia agrícola”, Cadernos de IFCH - UNICAMP, Campinas, v. 7, jul. 1983.

________. “História econômica, teoria econômica e economia aplicada”, Revista de Economia Política, São Paulo, v. 2, n. 3. jul-set. 1992.

WEGNER, R (1999). “Os EUA e a fronteira na obra de Sérgio Buarque de Holanda.” In: SOUZA, J (Org.). O malandro e o protestante. Brasília: Editora da UnB.

WEGNER, R. (2000). A conquista do Oeste – a fronteira na obra de Sérgio Buarque de Holanda, Belo Horizonte, Editora da UFMG.

SZMRECSÁNYI, T. (1983). “Análise de economia agrícola.” Cadernos de IFCH UNICAMP, Campinas, v. 7, julho.

. Publicado no Suplemento Especial Le Monde diplomatique Brasil em conjunto com a ActionAid: http://diplomatique.org.br/cerrado-berco-das-aguas-na-rota-devastadora-do-capital/




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2018.n245.p590-623

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.