AS ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO DOS COORDENADORES DO PROSAVANA PARA A LEGITIMAÇÃO DO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO

Fernanda Maria Baraúna de Freitas Aragão, Elsa Sousa Kraychete

Resumo


O Programa de Cooperação Tripartida para o Desenvolvimento Agrícola da Savana Tropical de Moçambique (ProSAVANA) tem sido analisado sob diferentes aspectos. Neste artigo, a proposta é refletir sobre as estratégias de comunicação desenvolvidas pelos coordenadores do programa com o intuito de legitimá-lo. Criado sob a justificativa de promover o desenvolvimento agrícola sustentável para melhorar as condições de vida da população do Corredor de Nacala (norte moçambicano), o ProSAVANA, celebrado entre Japão, Brasil e Moçambique revela, em essência, favorecer a expansão do agronegócio na África. Ao incentivar o aumento da produtividade da produção de alimentos por meio da mecanização e utilização de agrotóxicos, mostra-se fiel ao projeto de desenvolvimento econômico que é próprio do sistema capitalista com suas contradições. Desde 2012, estratégias de comunicação e engajamento têm sido utilizadas para garantir a legitimidade do programa de cooperação. Em contrapartida, por meio de diferentes ações, cuja maior expressão é a campanha “Não ao ProSAVANA”, a articulação formada por camponeses, movimentos sociais, Organizações Não Governamentais (ONGs) e acadêmicos tem oferecido resistência. Entretanto, no percurso de luta para propor alternativas e barrar a concretização do ProSAVANA com benefícios especiais ao agronegócio, os grupos têm enfrentado problemas como a cooptação de lideranças e a falta de transparência.


Palavras-chave


ProSAVANA. Desenvolvimento. Articulação Social. Sociedade Civil. Comunicação.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADECRU. Comunidades camponesas e rurais juntam-se na caravana de solidariedade às vítimas dos megaprojectos no Corredor de Nacala. Malema, set. 2016. Disponível em: Acesso em: 23 maio 2017.

ADRIANO, V. Entrevista concedida a Fernanda Aragão. 4 arquivos sonoros (35 min). Via Internet (Skype). 15 de setembro de 2016.

ARAGÃO, F. M. B. de F. Vozes de Nacala: uma análise sobre as potencialidades e limites da articulação contra o ProSAVANA. 2017. 240 f. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais – Programa de Pós Graduação em Relações Internacionais – Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2017.

ARAGÃO. D.M.C. de. Responsabilidade como legitimação: Capital Transnacional e Governança Global na Organização das Nações Unidas. 2010. 191f. Tese (Doutorado em Relações Internacionais) - Instituto de Relações Internacionais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

BANCO MUNDIAL. Departamento de Luta contra la Pobreza y Políticas Públicas. Grupo Sobre Participación y Organizaciones no Gubernamentales. Colaboraciones entre el Banco Mundial y las Organizaciones No Gubernamentales. Washington, D. C.: Banco Central, 1996, 40 p.

BENTO, A. Entrevista concedida a Fernanda Aragão. 2 arquivos sonoros (1h37min). Via Internet (Skype). 25 de agosto de 2016.

BENTO, A. Síntese do Encontro de Convergência e Resistência do Movimento não ao ProSavana. Nampula, maio, 2016b. Disponível em: Acesso em: 3 maio 2017.

BENTO, A. Comunicado Conjunto e Questionamentos da Sociedade Civil de Moçambique, Brasil e Japão sobre o ProSAVANA com Relação aos Documentos do Governo Recentemente Vazados. ago. 2016c. 7p. Disponível em: Acesso em: 13 nov. 2016.

BENTO, A. Carta Aberta ao Exmo. Senhor Presidente da Agência Japonesa de Cooperação Internacional – JICA. Maputo, fev. 2017a. 9p. Disponível em: Acesso em 26 mar. 2017.

CHAMADA dos Povos para invalidação imediata da “auscultação pública do Plano Director do ProSAVANA”. Maputo, jun. 2015. 8p. Disponível em: Acesso em: 28 mar. 2017.

DECLARAÇÃO de Solidariedade aos representantes da UNAC diante das Ameaças e Agressões proferidas pelo representante da empresa de consultoria MAJOL, contratada pela JICA. Brasil, jan. 2016. 2p. Disponível em: Acesso em: 4 ago. 2016.

______. Anatomia Pós-Fukushima dos Estudos sobre o ProSAVANA: Focalizando no “Os mitos por trás do ProSavana” de Natalia Fingermann. Observatório do meio Rural (OMR), n.12, dez. 2013b. Disponível em: Acesso em: 4 maio 2017.

FALAISE, B. O Banco Mundial no comando da invasão de terras. Diplomatique Brasil, 2 de setembro de 2011. Disponível em: Acesso em: 28 mar. 2011

GUIMARÃES, F.S. Os burocratas das organizações financeiras internacionais: Um estudo comparado entre o Banco Mundial e o FMI. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

JUSTIÇA AMBIENTAL; FRIENDS OF THE EARTH MOZAMBIQUE. Comunicado: Prosavana em discussão no seio das organizações da sociedade civil em Nampula. Maputo, jan. 2016. Disponível em: Acesso em: 23 ago. 2016.

LAUTIER, B. O consenso sobre as políticas sociais na América Latina, negação da democracia? In: Caderno CRH, Salvador, v. 23, n. 59, p. 353-368, maio/ago. 2010.

KRAYCHETE, Elsa Sousa. O lugar das organizações não governamentais no entrecruzamento entre as noções de desenvolvimento e cooperação internacional. In: Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 65, p. 251-268, maio/ago. 2012.

MAJOL, Consultoria e Serviços. Inception Report: Consultant for Stakeholder Engagement (ProSAVANA programme), nov. 2015. 48p.

MAJOL, Consultoria e Serviços.Stakeholder Mapping, ProSAVANA. ProSAVANA Master Plan, Stakeholder Mapping, jan. 2016b. p.16-32

MAJOL, Consultoria e Serviços.Stakeholder Engagement, ProSAVANA Master Plan Final Report for the Japan International Cooperation Agency (JICA), mar. 2016e. 29p.

MASA. Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA. Maputo, mar. 2015. 5p.

MELLO, F. Parte I. Memória da articulação Sul-Sul dos povos e seus pressupostos em torno da Campanha Não ao ProSAVANA. In: Cooperação Sul-Sul dos povos do Brasil e de Moçambique: Memória da Resistência ao ProSavana e Análise Crítica de seu Plano Diretor. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: Acesso em: 13 mar. 2017.

MONJANE, B. Auscultação pública sobre o ProSAVANA: Ministro exige intervenções “patrióticas” e ativistas abandonam a sala. Blog ADECRU, 15 de jun. 2015. Disponível em: Acesso em: 16 maio 2016.

MONJANE, B. Entrevista concedida a Fernanda Aragão. 2 arquivos sonoros (42 min). Via Internet (Skype), agosto 2016.

NAÇÕES UNIDAS. Asamblea General. Desarrollo y Cooperación Económica Internacional: Um programa de desarrollo. Informe del Secretario General. 1994, 51 p.

NO! TO LANDGRAB, JAPAN. Estratégia da Comunicação do ProSAVANA e Seu Impacto: Análise dos Documentos da JICA Divulgados e Escapados, ago. 2016. 119p. Disponível em: Acesso em: 15 maio 2017.

PEREIRA, J. M. M. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro 1944-2008. Niterói: Civilização Brasileira, 2010.

STIGLITZ, J.E. Towards a new paradigma for development. In: United Nations Conference on Trade and Development, 9th Raul Prebisch Lecture, 1998, Geneva, 1998, p.3-33.

WATANABE, N. Depoimento. 1 arquivo sonoro (30 min). Rio de Janeiro, 14 de novembro, 2016a. Palestra em debate “Expansão do agronegócio no Brasil e em Moçambique: principais atores, estratégias e disputas por recursos.”

WATANABE, N. Entrevista concedida a Fernanda Aragão. 1 arquivo sonoro (11 min). Rio de Janeiro, 14 de novembro, 2016c.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2018.n245.p429-463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.