DINÂMICAS DE GÊNERO, EMPREGO E TRABALHO

Iracema Brandão Guimarães

Resumo


O acesso das mulheres ao mercado de trabalho ao longo das últimas décadas tem sido analisado como resultado de um complexo e lento processo de mudanças socioculturais e econômicas. Neste último aspecto, isso vem ocorrendo através de um longo período de crescimento dos mercados de trabalho em geral, o que perdurou no Brasil até os anos 70 com o aumento do trabalho assalariado, observando-se, nas décadas seguintes, a sua redução, sem que isso afetasse a intensidade do trabalho das mulheres. Essas tendências, de crescimento e de declínio do emprego, em paralelo ao aumento da instabilidade do trabalho, revelam-se como resultados de uma dupla transformação econômica e de suas características locais, ao tempo em que se aprofunda a divisão sexual do trabalho e a precarização e informalidade nas últimas décadas. O presente artigo aborda algumas implicações dessas duas tendências visando a contribuir com as análises do acesso das mulheres ao mercado de trabalho no País.

 


Palavras-chave


Trabalho. Divisão Sexual. Gênero. Serviços. Informalidade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABREU, Alice de Paiva. Especialização Flexível e Gêneros. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 8, n. 1, p. 52-57, jan./mar. 1994.

ALVES, José Eustáquio Diniz. O crescimento da PEA e a redução do hiato de gênero nas taxas de atividade no mercado de trabalho. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/aparte/pdfs/. Acesso em: 30 abr. 2018.

ANTUNES, Ricardo. Século XXI: nova era da precarização estrutural do trabalho? In: ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Rui. Infoproletários, degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009. p. 231-238

ARAÚJO, Ângela. Ameaças aos direitos trabalhistas das mulheres e a configuração de novas demandas relativas às questões de gênero. In: BEZERRA, M. Ednalva; COSTA, Ana (Org.). Transformando as relações de trabalho e cidadania. Snmt/CUT; Salvador: Neim/UFBA; FastDesign; SSA; 2007.

BLAY, Eva. Trabalho Domesticado: A mulher na indústria paulista. São Paulo: Ed. Hucitec, 1978.

BRUSCHINI, Cristina. Gênero e trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? In: ROCHA, M. Isabel Baltar (Org.). Trabalho e Gênero, Mudanças, Permanências e Desafios. São Paulo: Abep. Nepo/Unicamp; Ed. 34, 2000.

CACCIAMALI, M. C. Globalização e processo de informalidade. In: Economia e Sociedade. Campinas: UNICAMP. Instituto de Economia, n. 14, jun. 2000. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/publicacoes/revista.html. Acesso em: 9 out. 2003.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital, Xamâ. São Paulo: VM Editora, 1996.

COSTA, Ana Alice, LIMA, Maria Ednalva. Introdução. Transformando as relações de trabalho e cidadania. Snmt/CUT, Neim/UFBA, FastDesign Ed, 2007.

GHON, Maria da Gloria. Associativismo em São Paulo: Novas formas e participação no planejamento urbano da cidade. In: NUNES, Brasilmar (Org.) Sociologia das capitais brasileiras: participação e planejamento urbano. Brasília: Líber Ed., 2006.

GUIMARÃES, Iracema Brandão. Informalidade e Gênero: tendências recentes, in Transformando as Relações de Trabalho e Cidadania. Salvador: CUT / NEIM, SA, 2007.

HIRATA, Helena. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. In: Revista Latinoamericana de estudos del trabajo. São Paulo, ano 4, n. 7, 1998.

HIRATA, Helena; Kergoat, Daniele. A divisão sexual do trabalho revisitada: As Novas Fronteiras da Desigualdade, Homens e Mulheres no Mercado de Trabalho. São Paulo: Editora SENAC, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Mensal de Emprego (PME). [S. l., S. d.]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_mulher/Suplemento_Mulher_2008.pdf. Acesso em: 11 abr. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). PNAD 2005, 2006: Síntese de Indicadores. Rio de Janeiro, 2005, 2006.

LOMBARDI, Rosa, A engenharia como profissão. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS (ANPOCS), 20., Caxambu, 2005. Anais... Caxambu, 2005.

OLIVEIRA, Francisco. O Terciário e a Divisão Social do Trabalho. Estudos Cebrap, n. 24, 1997.

PORTAL DA INDÚSTRIA. Agência de Notícias CNI. Participação de mulheres no mercado de trabalho industrial cresce 14,3% em 20 anos. Postado em: 8 de nov. 2016, às 17:46. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/agenciacni/noticias/2016/11/participacao-de-mulheres-no-mercado-de-trabalho-industrial-cresce-143-em-20-anos/ Acesso em: 30 abr. 2018.

PRONI, Marcelo W; OLIVEIRA, T. Um mercado de trabalho heterogêneo e flexível: um problema persistente no Brasil. Revista da Associação Brasileira de Estudos do Trabalho (ABET). [S. l.], v. 15, n. 2, 2016.

RAGO, Margareth. As operárias, a emancipação e a sexualidade femininas no início da industrialização brasileira. In: DEL PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto/Ed. UNESP, 1997.

SASSEN, Saskia. As cidades na economia mundial. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação & Realidade. [S.l.], v. 20, n. 2, 1995

SOARES, Erika L. Almeida. Reestruturação produtiva e divisão sexual do trabalho: notas para um estudo sobre o setor da construção civil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 17., Porto Alegre, 2015. Anais... Porto Alegre, SBS, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2018.n243.p58-74

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.