RESISTENCIA: O CAMINHO PARA O ENFRENTAMENTO ÀS DIVERSAS FORMAS DE VIOLÊNCIA QUE IMPACTAM A VIDA DAS MULHERES NEGRAS

Valdenice José Raimundo

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir sobre a resistência das mulheres negras, numa perspectiva de gênero, frente ao racismo e as demais violências a ele associadas. Traz à tona as estratégias que foram e vêm sendo historicamente utilizadas para o enfrentamento às situações impostas às mulheres negras, numa sociedade organizada a partir das hierarquias dos povos que constituíram o Brasil. Resulta de reflexões que foram realizadas para a 16ª Semana da Mulher da Unicap que aconteceu nos dias 05 a 09 de março de 2018. A reflexão procede ainda de uma caminhada orientada pela vivência, pela observação e pelas leituras bibliográficas que levam em conta as experiências concretas das mulheres negras brasileiras. É válido salientar que essas leituras se inserem numa perspectiva que dialoga com a realidade dessas mulheres e não escamoteiam os impactos da desigualdade racial em suas vidas. É uma leitura que considera que o caminho trilhado até aqui resulta em conquistas políticas, legais e de fortalecimento. Este artigo se somará as reflexões teóricas existentes, potencializando o debate que recusa todas as formas de opressão, exploração e discriminação.

 


Palavras-chave


Gênero. Racismo. Violência. Resistência.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, Clara. Marxismo, feminismo e o enfoque de gênero. In: Crítica marxista. São Paulo, Boitempo, n. 11, 2000.

ARNT, Ricardo; BONALUME NETO, Ricardo. A cara de Zumbi. Revista Super Interessante. [S. l.], ano 9, n. 11, 1995.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Cidadania em preto e branco. São Paulo: Ática, 1998.

BERGMANN, Michel. Nasce um povo. Rio de Janeiro: Vozes, 1964.

CALDWELL, Kia Lilly. Fronteiras da diferença: raça e mulher no Brasil. Estudos feministas. [S. l.], p. 91-108, 2000.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Geledés Instituto da Mulher Negra. Disponível em: Acesso em: 15 abr. 2018.

CALDWELL, Kia Lilly. Gênero e raça. In: Estudos de gênero face aos dilemas da sociedade brasileira. São Paulo: 2001.

FISCHER, Izaura Rufino. MARQUES, Fernanda. Gênero e exclusão social. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 2001.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e Senzala. 23. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio,1984.

GIACOMINI, Sônia Maria. Mulher escrava: uma introdução ao estudo da mulher negra no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1988.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômico. In: LUZ, Madel. O lugar da mulher. Rio de Janeiro: Graal, 1982. p. 87-106.

WERNECK, Jurema. Nossos passos vêm de longe! Movimentos de mulheres negras e estratégias políticas contra o sexismo e o racismo. In: Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 1, n. 1, p. 07-17, jun. 2010. ISSN 2177-2770. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2018.

RUFINO, Alzira. Uma retrospectiva histórica. São Paulo: 1987.

SAFFIOTI, Heleieth. Posfácio: conceituando o gênero In: Mulher brasileira é assim. Brasília, DF: Rosa dos tempos: NIPAS; Rio de Janeiro: UNICEF, 1994.

SOUZA PESSOA, Cintia Lizandre Santos. Vestígios da Negação: Um olhar sobre as diversas contribuições da história da África para a afirmação da negritude da Mulher negra. Monografia. Recife, 2017.

SOUZA, Tereza Cristina Vital de. Com a palavra o Movimento Negro. Contestando o racismo e desmistificando a democracia racial. Recife: 1997.

THEODORO, Helena. Encrespando - Anais do I Seminário Internacional: Refletindo a Década Internacional dos Afrodescentendes (ONU, 2015-2024) / FLAUZINA, Ana; PIRES, Tula (Org.). - Brasília: Brado Negro, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2018.n243.p75-90

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.