A FINANCEIRIZAÇÃO DAS CIDADES E A EMENDA CONSTITUCIONAL 95

Ana Beatriz Oliveira Reis, Luccas Assis Attílio

Resumo


Nesse artigo analisamos o impacto da EC 95 sobre a financeirização urbana da economia brasileira. Especial atenção é concedida à tendência de mercantilização das cidades, ao mesmo tempo em que direitos sociais e participação popular na formulação de políticas públicas podem ser reduzidos em decorrência do aprofundamento do neoliberalismo no Brasil. Para essa análise, adotamos a metodologia interdisciplinar recorrendo a estudos de diferentes campos. As técnicas de pesquisa utilizadas são a revisão bibliográfica e a análise quantitativa. Nossas conclusões levam a crer que a histórica desigualdade social e econômica tende a se elevar em um contexto no qual as decisões da sociedade são cada vez mais pautadas pelo valor de troca em detrimento do valor de uso, e quando a riqueza social é apropriada por poucos indivíduos do setor privado. Contradições latentes do capitalismo serão reforçadas com os desdobramentos políticos do país.


Palavras-chave


Espaço Urbano. Financeirização. Neoliberalismo. Emenda Constitucional.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BELLUZZO, L. G. e ALMEIDA, J. Depois da Queda: A Economia Brasileira da Crise da Dívida aos Impasses do Real. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

BOYER, R. Is a Finance-Led Growth Regime a Viable Alternative to Fordism? A Preliminary Analysis. Economy and Society, v. 29, n. 1, p. 111-145, 2000.

BRUNO, M.; DIAWARA, H.; ARAÚJO, E.; REIS, A.; RUBENS, M. Finance-Led Growth Regime no Brasil: Estatuto Teórico, Evidências Empíricas e Consequências Macroeconômicas. Texto para discussão, n. 1455, IPEA, 2009.

CASTELLS, M. A questão urbana. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 2014.

CARVALHO, F. Looking into the abyss? Brazil at the mid-2010s. Journal of Post-Keynesian Economics, v. 39, p. 93-114, 2016.

CHESNAIS, F. A Mundialização do Capital. São Paulo: Xamã, 1996.

COLLUCCI, C. Ajuste fiscal “corta a carne” dos pobres, mas deixa ricos intocados. [S.l.], 2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudiacollucci/2016/10/1821863-ajuste-fiscal-corta-a-carne-dos-pobres-mas-deixa-ricos-intocados.shtml. Acesso em 12 out. 2016.

CONTRI, A. Uma Avaliação da Economia Brasileira no Governo Dilma. Indicadores Econômicos FEE, v. 41, n. 4, p. 9-20, 2014.

DIAZ-ALEJANDRO, C. F. Goodbye Financial Repression, Hello Financial Crash. Journal of Development Economics, v.19, n. 1, pp. 1-24, 1985.

DOWBOR, L. “A economia travada pelos intermediários financeiros.” In: SADER, E. (Org.). O Brasil que queremos. Laboratório de políticas públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016.

DYMSKI, G. A. Financial Risk and Governance in the Neoliberal Era. In: CLARK, G. L, DIXON, A. D. e MONK, A. H. (Orgs.). Managing Financial Risks, From Global to Local: Oxford University Press, 2009.

ERTURK, I.; FROUD, J.; JOHAL, S.; LEAVER, A.; WILLIAMS, K. The Democratisation of Finance? Promises, Outcomes and Conditions. University of Manchester. Working Paper, n. 9, 2005.

FIX, M. A “Fórmula mágica” da “parceria”: operações urbanas em São Paulo. São Paulo, FAU/USP, 2003. Disponível em: http://www.usp.br/fau/depprojeto/labhab/biblioteca/textos/fix_formulamagicaparceria.pdf 1. Acesso em 13 out. 2016.

FOLHA, Editorial. São Paulo, 2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2016/02/1738194-atraso-na-educacao.shtml. Acesso 11 fev. 2016.

FRIEDMAN, M. Capitalismo e liberdade. São Paulo: LTC, 2014.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Editora Annablume, 2006.

HARVEY, D. Cidades Rebeldes. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HARVEY, D. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2016.

HAYEK, F. Os fundamentos da liberdade. São Paulo: Visão, 1983.

HERMANN, J. Auge e Declínio do Modelo de Crescimento com Endividamento: O II PND e a Crise da Dívida Externa (1974-1984). In: GIAMBIAGI, F.; VILLELA, A.; CASTRO, L.; HERMANN, J. (Orgs.). Economia Brasileira Contemporânea. Elsevier, 2011.

HOBSBAWM. E. Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). [S.l., (2016?)]. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx. Acesso em: 22 nov. 2016.

KEYNES, J. M. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1998.

KOWARICK, L. A espoliação urbana. São Paulo: Paz e Terra, 1983.

LAPAVITSAS, C. Financialised Capitalism: Crisis and Financial Expropriation. Historical Materialism, v. 17, p. 114-148, 2009.

LAPAVITSAS, C. Theorizing Financialization. Work, Employment and Society, v. 25, n. 4, p. 611-626, 2011.

LAZONICK, W. The Financialization of the US Corporation: What Has Been Lost, and How It Can be Regained. The Academic-Industry Research Network. Working Paper, n. 42307, 2012.

LAZONICK, W.; O'SULLIVAN, M. (2000). Maximizing Shareholder Value: A New Ideology for Corporate Governance. Economy and Society, v. 29, n. 1, p. 13-35, 2000.

LOJKINE, J. O estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

MANKIW, G. (2011). Macroeconomia. São Paulo: LTC, 2011.

MARX. K. (1968). O capital. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1968. Livro 1, Vol. 1.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultura, 1985.

MYRDAL, G. Contra a Corrente. Rio de Janeiro: Editora Campus Ltda, 1977.

PAULANI, L. Acumulação Sistêmica, Poupança Externa e Rentismo: Observações Sobre o Caso Brasileiro. Estudos Avançados, v. 27, n. 77, p. 237-261, 2013.

PIKETTY, T. Capital in the Twenty-First Century. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 2014.

RESENDE, M. O Padrão dos Ciclos de Crescimento da Economia Brasileira: 1947-2003. Economia e Sociedade, v. 14, n. 1, p. 25-55, 2005.

SOUZA, M. B. Neoliberalização do Estado no Brasil. Revista e-metropolis. n. 21, ano 6.p. 6-20, 2015.

STOCKHAMMER, E. Financialisation and the slowdown of accumulation. Cambridge Journal of Economics, v. 28, n. 5, pp. 719-741, 2004.

SWEEZY, P. Why Stagnation? Monthly Review, p. 69-77, 2004.

TESOURO. [S.l., 2016]. Disponível em: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/. Acesso em 22 nov. 2016.

VAINER,C. Pátria, Empresa e Mercadoria – Notas Sobre A Estratégia Discursiva Do Planejamento Urbano. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. (Orgs.). A cidade do pensamento único. Petrópolis: Vozes, 2002.

VAN DER ZWAN, N. Making sense of financialization. Socio-economic review, v. 19, p. 99-129, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2019.n246.p169-195

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSNe: 2447-861X

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  |

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais