A EDUCAÇÃO CONTEXTUALIZADA E A FORMAÇÃO DO SUJEITO: PARA ALÉM DA APRENDIZAGEM ESCOLAR

Arnon Marques Antunes, Gervásio Ferreira Santos, José Albertino Carvalho Lordêlo

Resumo


Este texto aborda os resultados obtidos por um projeto desenvolvido no âmbito escolar rural do semiárido baiano, para além dos muros da instituição. A metodologia, de inspiração freiriana, foi alicerçada no ensino socialmente referenciado na realidade do aluno. De acordo com os princípios desta metodologia, o aluno deve conhecer, analisar e transformar (Projeto CAT) a realidade do campo onde vive. A contextualização do conhecimento é fundamental para que o aluno possa ressignificar saberes e valores, possa aprender a viver, ler e intervir em sua realidade. Este sujeito ativo viria por meio da formação continuada dos professores, da produção de material didático contextualizado e da adoção de práticas pedagógicas e de gestão democrática.  Ainda como produto institucionalizado, pretendia-se convencer os municípios a destacar recursos do orçamento local para utilizar a referida metodologia de educação do campo contextualizada. A técnica de análise que produziu a presente discussão foi ancorada no modelo estatístico-econométrico de análise de regressão para isolar o efeito do programa a partir da coleta de dados entre grupos de tratamento e controle. Os resultados mostraram que houve diferenças estatísticas significativas entre escolas que adotaram e que não adotaram a metodologia. Propõese que a educação contextualizada se justifique pelos seus resultados em indicadores objetivos para além dos muros da escola, por um princípio de direito do sujeito em compreender o seu lugar e as relações que se estabelecem a partir dele nos vários planos da vida: social, político, econômico, ambiental e cultural.


Palavras-chave


Educação do campo; Educação contextualizada.

Texto completo:

PDF

Referências


BONNEWITZ, Patrice. Primeiras lições sobre a sociologia de Pierre Bourdieu. Petrópolis: Vozes, 2003.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

BOURDIEU, Pierre. Espaço social e a gênese das “classes”. In: O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989, pp. 133-161.

BOURDIEU, Pierre. Espaço Social e poder simbólico. In: Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004, pp. 149-168.

BOURDIEU, Pierre. Os três estados do capital cultural. In: Escritos de Educação. Org.) Maria Alice Nogueira e Afrânio Catani. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007, pp. 71-79.

DURKEIM, E. Educação e Sociologia. São Paulo: Melhoramentos. 1973. 91 p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005, 42.ª edição.

LORDELO, J.A.C e DAZZANI, M.V. Estudos com estudantes egressos. Concepções e possibilidades metodológicas na avaliação de programas. Salvador :Edufba, 2012.

NOGUEIRA, Cláudio Marques Martins; NOGUEIRA, Maria Alice. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: limites e contribuições. Educ. Soc., Campinas , v. 23, n. 78, p. 15-35, Abril de 2002 . Disponível em . acessado em 12 Maio de 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002000200003.

ROSA, Dora Leal. A Escola e a Formação do Sujeito Moral: Possibilidades e Limites da Instituição Escolar. In: Revista da FACED, nº 05, 2001. Edufba, Salvador. pp 13-26.

TOSCANO, M. Sociologia Educacional. Petrópolis: São Paulo. 2001. 244 p




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2017.n242.p745-768

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.