CRIMINALIZAÇÃO DA POBREZA E DE DEFENSORES DE DIREITOS HUMANOS

Valdênia Brito Monteiro

Resumo


Este artigo problematiza algumas questões referentes ao processo de criminalização da pobreza e dos defensores de direitos humanos. A criminalização é uma ação individual ou coletiva que configura um crime. É resultado de processos de definição e seleção que escolhem determinados indivíduos aos quais se atribui status de criminoso. No caso dos defensores de direitos humanos, o processo de criminalização consiste em retirar o aspecto político de determinada luta social, ao individualizar a responsabilidade e desqualificar práticas de determinados indivíduos ou grupos sociais, de modo a promover a sua difamação pública.


Palavras-chave


Criminalização da pobreza. Defensores de Direitos Humanos. Seletividade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADISSI, Paula Oliveira. Estado, mídia e criminalização do MST: um estudo a partir do caso de Pocinhos (PB). Mestrado, 2011. Disponível em: http://www.reformaagrariaemdados.org.br/sites/default/files/2011%20mestrado%20UFCG%20Paula%20Adissi.pdf. Acesso em: 21 jun. 2017.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

BARROS, Nívia Valença; MOREIRA, Celeste Anunciata; DUARTE, Kelly Murat. Juventude e criminalização da pobreza. Revista de Educação, v. 3, n. 5, jan./jun. 2008.

BATISTA, Nilo. Mídia e sistema penal no capitalismo tardio. 2009. Disponível em http://www.bocc.ubi.pt. Acesso em: 13. abr. 2017.

BATISTA, Vera Malaguti. JUSTIÇA GLOBAL- Relatório de defensores de direitos humanos. Rio de Janeiro, 2010. Entrevista concedida a equipe de pesquisa do relatório em 10 de dezembro de 2009.

BRASIL tem número alarmante de defensores de direitos humanos mortos em 2016. Defensores de Direitos Humanos. Justiça Global. Rio de Janeiro, 9 mar. 2016. Disponível em: http://www.global.org.br/blog/brasil-tem-numero-alarmante-de-defensores-de-direitos-humanos-mortos-em-2016/. Acesso em: abr. 2017.

BRUZIGUESSI, B.; Bezerra C. S. Coerção e consenso: os fundamentos da criminalização dos movimentos sociais no Brasil. In: Libertas. Juiz de Fora, v. 10, n. 1, p. 42-73, jan.-jun. 2010. Disponível em: www.ufjf.br/revistalibertas/files/2011/02/artigo03_12.pdf .Acesso em: 22. jun.2017.

BULT, Kathrin; KOROL, Claudia (Org.). Criminalização dos protestos e dos movimentos sociais. São Paulo: Instituto Rosa Luxemburg Stiftung, 2008. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2011.

CALLEGARI, André Luís; WERMUTH, Maiquel Angelo. Sistema penal e política criminal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

CARVALHO, Mário Cesar; CHRISTOFOLETTI, Lilian. Brasil não pune lavagem de dinheiro, aponta entidade. Folha de S. Paulo, 15 fev. 2010.

CASTRO, Lola Aniyar de. Sistema penal e sistema social: a criminalização e a descriminalização como funções de um mesmo processo. Revista de Direito Penal. Rio de Janeiro, Forense, n. 29, p. 12,1981.

CENTRO-AMERICANA DE DEFENSORAS DE DIREITOS HUMANOS. Relatório de Agressões contra Defensoras de Direitos Humanos na América Central 2012-2014. Disponível em: . Acesso em: 07.jul.2017.

CERVINE, Raul. Incidencia de las “mass media” en la expansion del control penal en Latinoamérica. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo, n. 5, ano 2, p. 37-54, jan./mar. 1994.

______. Processo de descriminalização. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1982.

FILIPPO, Francisco Carneiro. Aspectos da criminalização da luta social no Brasil. Le monde diplomatique Brasil. Out,2011.

FON FILHO, Aton. Brasil: criminalização dos movimentos sociais: democracia e repressão dos direitos humanos. In: BULT, Kathrin; KOROL, Claudia (Org.). Criminalização dos protestos e dos movimentos sociais. São Paulo: Instituto Rosa Luxemburg Stiftung, 2008. p. 79-109. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2017.

FOSCARINI, L. T. O discurso midiático nos meandros da criminalização: contemporaneidade e movimentos sociais. Disponível em: http://www.nepe.ufsc.br/controle/artigos/artigo89.pdf>. Acesso em:12 de jun. 2017.

FRADE, Laura. Quem mandamos para prisão? Visões do Parlamento brasileiro sobre a criminalidade. Brasília: Liber Livro editora, 2008.

FRONTLINE DEFENDERS. Relatório Anual 2016. Disponível em: https://www.frontlinedefenders.org/es/resourcepublication/2016-annual-report. Acesso em: 6 abr.2017

JINKINGS, Daniella. País investiu R$ 1,2 bilhão no sistema penitenciário nos últimos oito anos. Agência Brasil, 27 dez. 2010. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2010-12-27/pais-investiu-r-12-bilhao-no-sistema-penitenciario-mas-populacao-carceraria-aumentou. Acesso em: 10 abr. 2017.

JOLY, Emilie E. (Coord.). Criminalización de los defensores de derechos humanos y de la protesta social en México. Washington: La Fundación para el Debido Proceso Legal (DPLF), 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2017.

KOROL, Claudia. Criminalização dos movimentos sociais na América Latina. Classe: Revista de Política e Cultura da Aduff, ano 1, n. 2, p. 10-13, out./nov.dez. 2008. Disponível em: . Acesso em 8 abr. 2017.

LEÃO, Marco Polo. Criminalização dos movimentos e lutas sociais no Brasil. Direitos humanos no Brasil 3: diagnósticos e perspectivas / Movimento Nacional de Direitos Humanos. et. al. Passo Fundo : IFIBE, 2012.

LONGO, Roxana; KOROL, Claudia. Argentina: criminalização dos movimentos sociais na Argentina. In: BULT, Kathrin; KOROL, Claudia (Org.). Criminalização dos protestos e dos movimentos sociais. São Paulo: Instituto Rosa Luxemburg Stiftung, 2008. p. 18-78. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2011.

MALAGUTI BATISTA, Vera. O medo na cidade do Rio de Janeiro: dois tempos de uma história. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003a.

______. Você tem medo de quê? Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005. n. 53. p. 367-378

OMCT. A criminalização da pobreza: relatório sobre as causas econômicas, sociais e culturais da tortura e outras formas de violência no Brasil. Preparado por Justiça Global e MNMMR. Relatório alternativo submetido à 42.ª Sessão do Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais da Organização das Nações Unidas, maio de 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2011.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. World Health Statistics 2016. http://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2016/en/> Acesso em :21 jun.2017.

PAD-PROCESSO DE ARTICULAÇÃO E DIÁLOGO. Dossiê: a repressão aos defensores de direitos humanos e movimentos sociais no Brasil. Disponível em< https://pt.scribd.com/document/54204541/Dossie-Sobre-Movimentos-Sociais >. Acesso em: 07.jul,2017.

PNUD. Relatório do desenvolvimento humano 2010: a verdadeira riqueza das nações: vias para o desenvolvimento humano. tradução de Strategic Agenda LLP. Ed. do 20.º aniversário. New York, 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2011.

QUEIROZ, Camila. Dossiê denuncia repressão a movimentos sociais e ativistas de direitos humanos. Adital, 8 abr. 2011. Disponível em:

RODRÍGUEZ, Esteban. Prácticas de Estado: el derecho a la protesta, criminalización, violencia institucional y el nuevo desafío das las organizaciones de derechos humanos. 2007. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2011.

SILVEIRA, Fam. A grande mídia e a produção legislativa em matéria penal. Disponível em: . Acesso em: 15 abr.2017.

UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME- Relatório de Desenvolvimento Humano 2016. Disponivel em:< em http://hdr.undp.org/en/2016-report> Acesso em: 22 de jun. 2017.

WACQUANT, Loïc. As prisões da miséria. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2004. Digitalizada. Coletivo Sabotagem. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2011.

ZAFFARONI, Eugenio Raul. El sistema penal y el discurso jurídico. In: La justicia penal hoy: de su crisis a la busqueda de soluciones. Buenos Aires: Fabian J. Di Placido, 2000. p. 31-67.

______. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. Tradução de Vânia Romano Pedros e Amir Lopes da Conceição. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

______. O inimigo no direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

ZAFFARONI, Eugenio Raul; NILO, Batista; ALAGIA, Alejandro; SLOKAR, Alejandro. Direito penal brasileiro I. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

ZAFFARONI, Eugenio Raul; PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro: parte geral brasileiro: parte geral. 6. ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.