POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA, MODELO DE DESENVOLVIMENTO E COALIZÕES POLÍTICAS (1930-2016)

Tiago Nery

Resumo


O artigo analisa as relações entre a política externa brasileira, o modelo de desenvolvimento econômico e as coalizões políticas entre 1930 e 2016. A primeira seção destaca a importância da dimensão doméstica da política externa, que é influenciada por valores e ideias de diferentes atores, a exemplo dos partidos políticos. A segunda seção analisa duas ideias-força que historicamente caracterizaram a política externa brasileira: autonomia e desenvolvimento. Apesar da importância de ambas, durante o nacional-desenvolvimentismo a busca do desenvolvimento tornou-se o principal vetor da política exterior do país. A terceira seção analisa o governo Fernando Henrique Cardoso, destacando as relações entre as reformas econômicas, a coalizão política e a política externa. Na última seção, são analisados os governos Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Esses governos se apoiaram em coalizões heterogêneas, ensaiaram uma política neodesenvolvimentista e adotaram uma política externa mais autônoma. A mudança na conjuntura internacional contribuiu para interromper os governos liderados pelo Partido dos Trabalhadores. Na conclusão, destacam-se a influência do modelo de desenvolvimento e das coalizões políticas na orientação da política externa brasileira.


Palavras-chave


Política externa brasileira. Desenvolvimento. Coalizões.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALDEN, C.; ARAN, A. Foreign policy analysis: new approaches. New York: Routledge, 2012.

ALLISON, G.; ZELIKOW, P. Essence of decision: explaining the Cuban Missile Crisis. 2nd ed. New York: Longman, 1999.

AMORIM NETO, O. De Dutra a Lula: a condução e os determinantes da política externa brasileira. Rio de Janeiro: Editora Campus Elsevier e Fundação Konrad Adenauer, 2011.

BEACH, D. Analyzing foreign policy. London: Palgrave Macmillan, 2012.

BERNAL-MEZA, R. Política exterior de Argentina, Chile y Brasil: perspectiva comparada. In: SARAIVA, J.F.S. (Ed.). Foreign policy and political regime, Brasília: IBRI, 2003.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento Econômico Brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 4. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

BOITO, A.; BERRINGER, T. Social classes, neodevelopmentalism, and Brazilian foreign policy under presidents Lula and Dilma. Latin American Perspectives, vol. 41, nº 5, pp. 94-109, 2014.

BRESSER-PEREIRA, L.C. A construção política do Brasil: sociedade, economia e estado desde a independência. São Paulo: Editora 34, 2014.

______. Globalização e competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

CANO, W. (Des)Industrialização e (Sub)Desenvolvimento. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2014.

CARDOSO, F.H. Xadrez internacional e social-democracia. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

CARRILLO, I. The new developmentalism and the challenges to long-term stability in Brazil. Latin American Perspectives, vol. 41, nº 5, pp. 59-74, 2014.

CERVO, A. Political regimes and Brazil’s foreign policy. In: In: SARAIVA, J.F.S. (Ed.). Foreign policy and political regime, Brasília: IBRI, 2003.

DOMINGUES, J. M. A América Latina e a modernidade contemporânea: uma interpretação sociológica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

______. O Brasil entre o presente e o futuro: conjuntura interna e inserção internacional. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013.

FERNANDES, L. Transição global e ruptura institucional: a geopolítica do neogolpismo no Brasil e na América Latina. Princípios, n. 143, pp. 30-40, 2016.

FMI (2015). Dados sobre as taxas médias de crescimento do PIB nos Governos Fernando Henrique, Lula e Dilma, 1995-2014. Disponível em: http://www.imf.org/.

FONSECA JR., G. A legitimidade e outras questões internacionais. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GARCIA, M. A. Avanços, impasses e desafios da integração. In: 2003-2013: uma nova política externa. MARINGONI G.; SCHUTTE, G. R.; BERRON, G. (Orgs.). Tubarão: Ed. Copiart, 2014.

GOUREVITCH, P. Políticas estratégicas en tiempos difíciles: respuestas comparativas a las crisis económicas internacionales. México, DF: Fondo de Cultura Económica, 1993.

______. The second image reversed: the international sources of domestic politics. International Organization, vol. 32, nº 4, pp. 881-912, 1978.

HALLIDAY, F. Repensando as relações internacionais. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

HILL, C. The changing politics of foreign policy. London: Palgrave MacMillan, 2003.

IBGE. (2016), Sistema de Contas Nacionais Referência 2000 (IBGE/SCN 2000 Anual). Produto Interno Bruto (PIB) – referências 2000 e 2010. Disponível em: www.ipeadata.gov.br.

KAUCHAKJE, S. International modeling and Brazilian public policies for poverty reduction. Latin American Policy, v. 5, n. 1, p. 157-168, 2014.

KERSTENETZKY, C. L. The Brazilian social developmental state: a progressive agenda in a (still) conservative political society. In: WILLIAMS, M. (Ed.). The end of the developmental state? New York: Routledge, 2014. p. 172-196.

LAFER, C. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira: passado, presente e futuro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

LÊNIN, V. I. Imperialismo, estágio superior do capitalismo: ensaio popular. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

LIMA, M. R. S. Instituições democráticas e política exterior. Contexto Internacional, v. 22, n. 2, p. 265-303, jul./dez. 2000.

LIMA, M. R. S.; DUARTE, R. Diplomacia presidencial e politização da política externa: uma comparação dos governos FHC e Lula. Observador On-Line, Rio de Janeiro, v. 8, n. 9, p. 1-24, 2013.

LIMA, M. R. S.; HIRST, M. Brasil como poder intermediário e poder regional. In: HURRELL, A.; et al. Os Brics e a ordem global. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2009. p. 43-73.

MOTTA VEIGA, P. Política comercial no Brasil: características, condicionantes domésticos e policy-making. In: JANK, M. S.; SILBER, S.D. (Orgs.). Políticas comerciais comparadas: desempenho e modelos organizacionais. São Paulo: Editora Singular, 2007. p. 71-162.

NOBRE, M. Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. 204 p.

PAROLA, A. G. L. A ordem injusta. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 2007. 508 p.

PAULANI, L. Brasil delivery: servidão financeira e estado de emergência econômico. São Paulo: Boitempo, 2008. 150 p.

PEDERSEN, J. D. Globalization, development and the state. London: Palgrave Macmillan, 2008. 215 p.

PINHEIRO, L. Política externa brasileira, 1889-2002. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004. 81 p.

PINHEIRO, L.; MILANI, C. R. S. Conclusão. In: ______. (Orgs.). Política externa brasileira: a política das práticas e as práticas da política. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2012. p. 331-345.

POCHMANN, M. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012. 127 p.

RODRIK, D. As confusas defesas de acordos comerciais. Valor Econômico, São Paulo, 15 jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2015.

SINGER, A. Cutucando onças com vara curta: o ensaio desenvolvimentista no primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014). Novos Estudos, nº 102, pp. 42-71, 2015.

______. A (falta de) base política para o ensaio desenvolvimentista. In: SINGER, A; LOUREIRO, I. (Orgs.). As contradições do lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo, 2016.

______. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 276 p.

VIGEVANI, T.; CEPALUNI, G. A política externa brasileira: a busca da autonomia, de Sarney a Lula. São Paulo: Editora UNESP, 2011. 226 p.

VISENTINI, P. F. A projeção internacional do Brasil, 1930-2012: diplomacia, segurança e inserção na economia mundial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. 224 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2017.n241.p418-444

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.