ÍNDIOS NO NORDESTE: POR UMA HISTÓRIA SOCIOAMBIENTAL REGIONAL

Edson Hely Silva

Resumo


Os estudos atuais sobre os povos indígenas no Brasil, a partir de novas abordagens, evidenciam o protagonismo histórico dos índios. Muito diferentemente da maioria das pesquisas anteriores à década de 1980, que enfatizavam uma história de vitimização, perdas culturais quando comparados com indígenas na Amazônia e baseados na ideia da mestiçagem, anunciavam o desaparecimento dos povos indígenas, principalmente os habitantes nas regiões mais antigas da colonização portuguesa, a exemplo do Nordeste. Os povos indígenas no Semiárido do Nordeste, a exemplo dos Pankará na Serra do Arapuá, em Carnaubeira da Penha no Sertão e os Xukuru do Ororubá na Serra do Ororubá, no Agreste pernambucano, afirmam suas identidades a partir da reelaboração cultural no processo da colonização, em contextos de disputas pelas terras e mobilizações sociopolíticas para conquista e garantia de direitos sociais. Pensar os povos indígenas no Semiárido nordestino na perspectiva de uma História Socioambiental é realizar o exercício de reflexões sobre as relações entre esses grupos humanos e as condições de vida onde habitam. Contribuindo para discussões na perspectiva histórica que evidenciem as relações de poder, o acesso e a utilização de recursos naturais pelos povos indígenas nas suas interações com o Ambiente no Semiárido no Nordeste do Brasil.


Palavras-chave


índios. Nordeste. História. Ambiente. Semiárido

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABREU, Capistrano de. Caminhos antigos e povoamento do Brasil. Belo Horizonte; Itatiaia, São Paulo, Edusp, 1988.

ANDRADE, Manoel C. de. A terra e o homem no Nordeste. 6. ed. Recife: Edufpe, 1998.

ARRUTI, José M. A. A árvore Pankararu: fluxos e metáforas da emergência étnica no Sertão do São Francisco. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. (Org.). A viagem de volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro, Contra Capa, 2004, p. 231-279.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília, MEC/Secad: Museu Nacional/UFRJ, 2006.

BULCÃO, Luís Lyra da Silva. Relatório Ambiental: Grupo de Trabalho de Identificação/Delimitação da Terra Indígena da Serra do Arapuá. FUNAI – Salvaguarda de Comunidades Indígenas, Contrato no. CLTO 1748/2009 e IRPF: AS-4043/2009, Florianópolis, 2010.

BURLAMAQUI, Maria Ferreira. Conexões e fronteiras de uma rede de sociabilidade: Sertão de Pernambuco (1840-1880). In: Clio. Série História do Nordeste (UFPE), v. 30, n. 1, p. 1-22. 2012. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaclio. Acesso em: 13 mai. 2014.

CIRILO, José Almir. Caracterização do Semiárido Brasileiro. In: CIRILO, José Almir. O uso sustentável dos recursos hídricos em regiões semiáridas. Recife, Edufpe, 2007.

DANTAS, Beatriz G.; SAMPAIO, José Augusto; CARVALHO, Maria do Rosário. Os povos indígenas no Nordeste brasileiro: um esboço histórico. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo, Cia. das Letras, 1992, p. 431-456.

FILHO, Ricardo Moreira Figueiredo e FERREIRA, William Cesar. Sociedades, mundos naturais e historiografia: perspectivas holísticas. Cadernos de História. Belo Horizonte, v.13, n. 19, 2º sem. 2012. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/4096. Acesso em: 10 jul. 2014.

GONÇALVES, Edilene Maria da Silva. A arte do Caroá: ensinando e aprendendo os saberes Pankará. Caruaru, CAA/UFPE, 2012. (Trabalho de Conclusão de Curso Licenciatura Intercultural Indígena).

GRUNEWALD, Rodrigo de. Toré: regime encantado do índio do Nordeste. Recife: Fundaj/Massangana, 2005.

HOHENTHAL Jr., W. D. As tribos indígenas do Médio e Baixo São Francisco. In: Revista do Museu Paulista. São Paulo, nova série, volume XII, p. 37-71, 1960.

MACIEL, Basílio Soares Barbosa. Brejos de altitude do Nordeste brasileiro: valiosos “oásis” em extinção. Recife, UFPE, 2009. (Monografia Curso Ciências Biológicas).

MAUPEOU, Emanuele Carvalheira de. Cativeiro e cotidiano num ambiente rural: o Sertão do Médio São Francisco - Pernambuco (1840-1888). Recife, UFPE, 2008. (Dissertação Mestrado em História).

MELO, M. L. Os agrestes. Recife: SUDENE, 1980.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Da Inquisição ao Império. Recife, Edufpe, 2004.

MENDONÇA, Caroline Leal. (Org.). Nossa Serra, nossa terra: identidade e território tradicional Atikum e Pankará. Serra Umã e Arapuá. Conselho de Professores Indígenas Atikum e Organização da Educação Escolar Pankará - COPIPE, 2012. Disponível em: http://www.cimi.org.br/pub/publicacoes/Nossa%20Serra%20Nossa%20Terra/nossa_serra_comclu.pdf. Acesso em: 20 dez. 2013.

______. Índios da Serra do Arapuá: identidade, território e conflito no Sertão de Pernambuco. UFPE, Recife, 2003. (Dissertação Mestrado em Antropologia).

OLIVEIRA, Edivania Granja da Silva. Os índios Pankará na Serra do Arapuá: relações socioambientais no Sertão pernambucano. Campina Grande, UFCG, 2014 (Dissertação Mestrado História).

OLIVEIRA, João Pacheco de. (Org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

OLIVEIRA, J. P. de. (Org.). A viagem de volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. 2. ed. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2004.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”: situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. (Org.). In: A viagem de volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2004, p. 13-38.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Darcy Ribeiro: os índios e a civilização. In: MOTA, D. Leonardo. (Org.). Introdução ao Brasil: um banquete no trópico. São Paulo, SENAC, 2001, v. 2, p.405-422.

POMPA, Maria Cristina. Religião como tradução: missionários, Tupi e Tapuia no Brasil Colonial. Bauru: EDUSC, 2003.

PÁDUA, José Augusto. Um país e seis biomas: ferramenta conceitual para o desenvolvimento sustentável e a educação ambiental. In: PÁDUA, José Augusto (Org.). In: Desenvolvimento, Justiça e Meio Ambiente. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo, Peirópolis: 2009, p. 118-150.

PEREIRA, Diana Avelina. Economia Pankará, currículo e práticas pedagógicas. Caruaru, CAA/UFPE, 2012. (Trabalho Conclusão Curso Licenciatura Intercultural Indígena).

PROENÇA, André Luiz. Ocupações pré-coloniais no Parque Nacional do Catimbau: proposta interpretativa às paisagens arqueológicas. Recife: UFPE, 2013. (Tese Doutorado em Geografia).

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo, Ática, 1993.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1982 (a primeira edição brasileira foi publicada em 1970).

______. Sobre o óbvio. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

______. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

ROSA, Hildo Leal da. A Serra Negra: refúgio dos últimos “bárbaros” do Sertão de Pernambuco. Recife, UFPE, 1988. (Monografia Graduação em História).

SALDANHA, Suely Maris. Fronteiras dos sertões: conflitos e resistência indígena em Pernambuco na Época de Pombal. Recife, UFPE, 2002. (Dissertação Mestrado em História).

SANTOS JÚNIOR. Carlos Fernando dos. Os índios nos Vales do Pajeú e São Francisco: historiografia, legislação, política indigenista e os povos indígenas no sertão de Pernambuco, 1801-1845. Recife, UFPE, 2015 (Dissertação Mestrado História).

SANTOS JÚNIOR, Carlos Fernando dos. Novos súditos do Rei: os povos indígenas e a ocupação portuguesa no Sertão de Pernambuco (Século XVIII). Recife, UFPE, 2010. (Monografia Graduação em História).

VASCONCELOS SOBRINHO, José. As regiões naturais do Nordeste, o meio e a civilização. Recife: Condepe, 2005.

SILVA. Luís Severino da. Brejos de altitude, refúgios para os grupos humanos do sertão: o caso da Serra do Arapuá, Floresta, PE. In: Clio Série Arqueológica, v.1, n. 14 - Anais da X Reunião Científica da SAB. Recife: UFPE, p. 237-244, 1999.

SILVA, Edson; OLIVEIRA, Edivania Granja da Silva; SANTOS JR. Carlos Fernando dos. Os povos indígenas no “sertão verde”: mobilizações, conflitos e afirmações identitárias no semiárido pernambucano. In: O encolhimento das águas: o que se vê e o que se diz sobre a crise hídrica e a convivência com o Semiárido. Campina Grande, PB, INSA, 2017 (no prelo).

SILVA, Edson. Xukuru: a conquista do Posto. O início da atuação do SPI entre os Xukuru do Ororubá (Pesqueira-PE). In: FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. (Org.). Memória do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio/FUNAI, 2012, p. 274-283.

______. Xukuru: memórias e história dos índios da Serra do Ororubá, Pesqueira, PE, 1950-1988. Campinas, SP, UNICAMP, 2008 (Tese Doutorado em História Social).

______. “Os caboclos” que são índios: História e resistência indígena no Nordeste. In: Portal do São Francisco - Revista do Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco/CESVASF. Belém de São Francisco, ano III, no. 3, p. 127-137, 2004.

______. Índios Xukuru x fazendeiros: história socioambiental no Agreste pernambucano. In: RODRIGUES, André Figueiredo; SILVA, Edson; AGUIAR, José Otávio (Orgs.). Natureza e Cultura nos Domínios de Clio: História, Meio Ambiente e questões étnicas. Campina Grande: EDUFCG, 2012, p. 65-93.

______. História indígena em Pernambuco: para uma compreensão das mobilizações indígenas recentes a partir de leituras de fontes documentais do Século XIX. Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, v. 64, p. 73-114, 2011.

______. “Confundidos com a massa da população”: o esbulho das terras indígenas no Nordeste do século XIX. In: Revista do Arquivo Público Estadual de Pernambuco. Recife, vol. 42, nº 46, p.17-29, dez. 1996.

WORSTER, D. Transformações da Terra: para uma perspectiva agroecológica na História. Ambiente & Sociedade. Vol. V, n. 2, ago./dez. 2002, vol. VI, nº 1 – jan./jul. 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.