TEORIA CRÍTICA DA RAÇA E DA SOCIEDADE NOS ESTADOS UNIDOS

Tukufu Zuberi

Resumo


O artigo faz uma análise sobre a Teoria Crítica da Raça (TCR) no direito e sua relação com as teorias críticas da raça nas ciências sociais. Aborda a inserção de negros nas ciências sociais como agentes de mudança que desenvolveram as ideias antecedentes que a TCR introduziu no direito. Tendo como recorte principal a academia e sociedade estadunidenses, elucida que a crítica de acadêmicos e movimentos negros demonstra a função hegemônica e estruturalista das ciências sociais e traz a TRC como parte de um movimento contra o poder racial branco. Concordando com o apelo de Kimberlé Williams Crenshaw, em seu artigo Twenty Years of Critical Race Theory: Looking Back to Move Forward, por uma mais ampla definição da TCR e por uma próxima fase deste movimento para envolver acadêmicos de várias disciplinas, este artigo demonstra que o apelo de Crenshaw é visionário e um passo necessário para pesquisadores interessados no fim da supremacia branca e na elevação da ciência dos direitos humanos e da igualdade.


Palavras-chave


Raça. Teoria Crítica da Raça. Ciências Sociais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2016.n238.p464-487

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades
CEAS | UCSal | UNICAP
PPG em Políticas Sociais e Cidadania
Av. Cardeal da Silva, 205 – Federação.
CEP. 40231-902, Salvador, Bahia, Brasil.
E-mail: cadernosdoceas@gmail.com
ISSN (online): 2447-861X 

 

INDEXAÇÃO/DIVULGAÇÃO

Bases de Dados/Diretórios

  |  | 

 

Portais

 |   |

 

Filiação/Suporte Técnico/Identificador

 |  | 

 

Plataforma

 

Redes Sociais